Segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2020

Buscar  
Brasil

Publicada em 05/01/18 às 14:05h - 239 visualizações
Lava Jato investiga financiamento de filme sobre a vida de Lula

Fonte: Veja


 (Foto: Portal Serrita)

A Operação Lava Jato mira mais um alvo ligado ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT): o filme que conta sua história, "Lula, o Filho do Brasil". A Polícia Federal investiga o financiamento do longa, que estreou em  janeiro de 2010 e custou cerca de R$ 12 milhões.

O filme contou com patrocínio das empreiteiras Odebrecht, OAS e Camargo Corrêa. A PF apura a participação de personagens envolvidos no tema, especialmente Antonio Palocci, junto a empresas. Questionado em 11 de dezembro pelo delegado Filipe Hille Pace sobre sua relação com a produção do filme, o ex-ministro dos governos Lula e Dilma declarou que "deseja colaborar na elucidação de tais fatos", mas que naquele momento ficaria em silêncio.

A Polícia Federal também resgatou trocas de e-mail entre executivos da Odebrecht entre 7 de julho de 2008 e 12 de novembro daquele ano. Em uma das mensagens, Marcelo Odebrecht escreveu um e-mail com cinco tópicos endereçados a outros funcionários do grupo e menciona o apoio à produção do filme. Entre os destinatários estavam os executivos Alexandrino Alencar e Pedro Novis, que também se tornaram delatores da Lava Jato.

"O italiano me perguntou sobre como anda nosso apoio ao filme de Lula, comentei nossa opinião (com a qual concorda) e disse que AA tinha acertado a mesma com o seminarista, mas adiantei que se tivermos nos comprometido com algo, seria sem aparecer o nosso nome. Parece que ele vai coordenar/apoiar a captação de recursos", diz a mensagem.

"Seminarista", de acordo com os investigadores, seria uma referência a Gilberto Carvalho, ex-ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência durante o governo de Dilma Rousseff — ele não manifestou até a publicação desta reportagem. "Italiano" é apontado como o apelido de Palocci. A defesa de Lula informou que não vai comentar o caso.

As mensagens foram apresentadas a Marcelo Odebrecht também em 11 de dezembro, quando prestou depoimento à Polícia Federal e respondeu a uma série de perguntas sobre o caso. Na ocasião, o empresário declarou que não era presidente da companhia em 2008 — função exercida à época por Pedro Novis — e que "aparentemente, Gilberto Carvalho tratou do assunto junto a Odebrecht, mas que Palocci coordenaria o assunto junto às demais empresas".

No depoimento, o executivo afirma ter concluído que, pelo teor das mensagens, "foram feitos pagamentos para a produtora ligada ao filme sem que se fizesse necessária a operacionalização mediante a Equipe de Operações Estruturadas, isto é, de forma não oficial". Ainda segundo o depoimento, "aparentemente os pagamentos não estavam vinculados diretamente ao filme, ou seja, o nome da empresa não apareceria como uma das financiadoras do projeto".

Marcelo Odebrecht se comprometeu a buscar documentos, contratos e notas fiscais que embasaram os pagamentos. Em outro trecho de seu relato, Marcelo Odebrecht cita seu pai, Emílio. Conforme o relatório da PF, o empresário disse que o patriarca da empreiteira nunca condicionou apoio financeiro de interesse de Lula a benefícios específicos de interesses da Odebrecht.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:


Hora Certa

Estatísticas
Visitas: 17304044 Usuários Online: 355


Publicidade Lateral
Associado AblogPE



Fan Page

Parceiros

WWW.PORTALSERRITA.COM.BR OS MELHORES EVENTOS ESTÃO AQUI!
Copyright (c) 2020 - Portal Serrita - Todos os direitos reservados