Seja bem vindo ao nosso site Portal Serrita!

Buscar  
Pernambuco

Enfermeiros fazem protesto por melhores salários em Pernambuco

Publicada em 07/04/2022 às 14:44h - 21 visualizações Blog PE Noticias

Link da Notícia:
Compartilhe
   

Enfermeiros fazem protesto por melhores salários em Pernambuco

Nesta quinta-feira (07), profissionais da área de enfermagem realizaram mais uma mobilização nacional para cobrar a aprovação do Projeto de Lei 2564/20, do Senado, que fixa o piso salarial nacional para as carreiras de enfermagem (enfermeiro, técnico e auxiliar) e de parteira.

 

A manifestação acontece em Pernambuco em diversos municípios como Recife, Paulista, Petrolina, Salgueiro, Garanhuns. Presidente do Sindicato dos Enfermeiros de Pernambuco, Ludmila Outtes defendeu a aprovação de um piso nacional para a enfermagem.

 

“Greve é isso, é a gente cruzar os braços, não prestar o serviço, numa forma de contestar algo que nos incomoda e hoje nos incomoda o PL não ter sido aprovado ainda. Arthur Lira (presidente da Câmara) falou em regionalizar o piso, não podemos aceitar. Isso é manter a diferença entre diversos Estados. O piso tem que ser nacional, é preciso equidade de salários, o que a gente exerce aqui é a mesma profissão exercida em São Paulo, Santa Catarina, Acre, Rio Grande do Sul”, afirmou.

 

De acordo com a presidente do sindicato, a paralisação é semelhante à greve, mas por tempo determinado. “Aprovamos 24 horas de paralisação para a atenção básica e 6 horas para média e alta complexidade”, explicou.

 

Conforme o projeto, o valor mínimo inicial para os enfermeiros será de R$ 4.750, a ser pago nacionalmente pelos serviços de saúde públicos e privados.

 

Com a mobilização veja o que deve paralisar:

  • USF, UBS e ambulatório – 100% do efetivo parado;
  • Vacinação covid – 50% do efetivo parado;
  • Média e alta complexidade – 50% do efetivo parado;
  • Urgência, emergência, Samu e UTI- 30% do efetivo parado.
  •  

Votação

A Câmara dos Deputados já aprovou a urgência para o Projeto de Lei 2564/20, do Senado, mas alguns parlamentares defendem que ainda é necessário ampliar o debate do tema junto aos governadores e prefeitos em razão do impacto orçamentário da proposta.

 

Coordenadora do grupo de trabalho que analisou o impacto orçamentário da proposta, a deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC) explicou recentemente que o mérito do projeto deve ser votado entre o fim de abril e o começo de maio.

 

“Nesse período nós vamos buscar outras fontes de financiamento, e deliberar os projetos que já estão aqui na Casa que apontam formas de financiamento ou de busca de recursos financeiros para fazer frente a essa demanda”, afirmou.

 

Salário

Relator do grupo de trabalho, o deputado Alexandre Padilha (PT-SP) defendeu que a proposta seja votada antes de cinco semanas. “Quem está precisando do Samu não pode esperar cinco semanas; quem está no pronto-socorro não pode esperar cinco semanas; quem está na sala de vacinação para receber a dose da vacina contra Covid não tem que esperar cinco semanas; então o piso nacional da enfermagem não é para esperar cinco semanas”, disse.

 

Padilha afirmou que o grupo de trabalho provou por “A mais B” que o impacto financeiro do piso nacional de enfermagem é menor do que 4% de todo o investimento do SUS e menor do que 5% de todo o faturamento dos planos de saúde.

 

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) afirmou que a enfermagem é uma categoria numerosa da área da saúde que teve papel fundamental durante a pandemia. “Não se trata apenas de uma discussão corporativa. Trata-se da dignificação de uma categoria que enfrentou a Covid-19 com destemor, com dedicação e com baixíssimos salários”, disse. Ela afirmou que a remuneração média é de R$ 1.450 reais para um profissional de nível superior. “É uma sub-remuneração que tem levado, inclusive, a uma evasão muito grande de trabalhadores do segmento”, disse.

 

O partido Novo foi contra a votação da proposta. O líder do partido, Tiago Mitraud (Novo-MG), afirmou que haverá aumento de impostos para custear o salário mínimo da categoria. “Não é possível estimular cada vez mais o aumento de impostos, esse Plenário não pode tomar aqui hoje uma medida meramente eleitoreira querendo sinalizar algo para um importante eleitorado”, disse.

 

“Não é falta de dinheiro, recentemente aprovaram ajuste no piso dos ACS, é falta de vontade política. Contra isso precisamos mostrar força, arregaçando as magas e paralisando. Cabe à gente decidir o que a gente quer”, concluiu Ludmila Outtes

 

Por Cássio Oliveira/JC

 




ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Hora Certa

Curta nossa Fan Page!
Publicidade Lateral
Graduação Uniplan
ATEL TELECOM
Graduação Uniplan 02
ATEL TELECOM
Anuncie Aqui
Estatísticas

Visitas: 21208862

Usuários Online: 20

Parceiros
Blog do Alvinho PatriotaSertão EventosEventos WESerrinha FMSite MisériaBlog Santa Cruz 24 hsPetrolina NewsBlog Paulo BenjeriAtel TelecomRádios.com.brOnline Rádio BoxCâmara de Vereadores de Serrita
WWW.PORTALSERRITA.COM.BR
Copyright (c) 2022 - Portal Serrita - Todos os direitos reservados
site, tv, videos, video, radio online, radio, radio ao vivo, radio matutos, internet radio, webradio, online radio, ao vivo, musica, shows, top 10, music, entretenimento, lazer, áudio, rádio, música, promocoes, canais, noticias, Streaming, Enquetes, Noticias,mp3,Blog, Eventos, Propaganda, Anuncie, Computador, Diversão e Arte, Internet, Jogos, Rádios e TVs, Tempo e Trânsito, Últimas Notícias, informação, notícia, cultura, entretenimento, lazer, opinião, análise, jogos, Bandas, Banda, Novos Talentos, televisão, arte, som, áudio, rádio, Música, música, Rádio E TV, Propaganda, Entretenimento, Webradio, CD